Pesquisa avançada

Home > News > Exercício físico de alto impacto na adolescência pode ajudar a aumentar massa óssea
17.11.2021

Exercício físico de alto impacto na adolescência pode ajudar a aumentar massa óssea

Investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) concluíram, num estudo que envolveu 1.137 adolescentes, que o exercício físico de alto impacto pode ajudar a aumentar a massa óssea ao longo do tempo.

Numa nota publicada na página da Universidade do Porto, o instituto salienta hoje que o estudo procurou averiguar o impacto do exercício físico de alto impacto na densidade óssea ao longo do tempo.

Para tal, os investigadores recorreram à coorte EPITeen, tendo avaliado 1.137 adolescentes em dois momentos - aos 13 e 17 anos -, que forneceram informações sobre a sua prática desportiva e a densidade mineral óssea do rádio (osso do antebraço).

A recolha nestas duas idades permitiu “ver a evolução de densidade óssea ao longo do tempo”, assim como o efeito do exercício físico, salienta o ISPUP, acrescentando que os adolescentes avaliados foram classificados em três grupos distintos: os que não praticavam nenhum exercício físico, os que praticavam exercício de baixo impacto (natação) e os que praticavam exercício físico de alto impacto (dança e futebol).

Nos rapazes, o estudo concluiu que os que praticavam “exercício físico de alto impacto apresentaram maior densidade mineral óssea do antebraço e tiveram também o maior aumento da densidade mineral óssea entre os 13 e os 17 anos”.

Nas raparigas, “não foram observadas diferenças significativas” no decorrer do tipo de desporto praticado.

O estudo mostrou que os benefícios do exercício físico não se fazem sentir apenas nos ossos diretamente sujeitos ao impacto da atividade física, mas “naqueles que não o são”.

Citada na publicação, a investigadora Elisabete Ramos afirma que os resultados do estudo “suportam a hipótese de que o efeito do exercício físico na massa óssea não seja apenas localizado”.

“O exercício físico, em especial o de alto impacto, poderá ter um importante papel no desenvolvimento da densidade mineral óssea, ao longo da adolescência, e este efeito ocorre não só na zona específica de impacto da atividade praticada, promovendo a melhoria global dos níveis de massa óssea”, acrescenta.

O estudo, designado “The effect of impact exercise on bone mineral density: A longitudinal study on non-athlete adolescents”, foi financiado pela Fundação para a Ciências e a Tecnologia (FCT) através do Fundo Social Europeu.

Fonte: N.N./Lusa