Pesquisa avançada

Home > News > Lisboa: 60% das camas disponibilizadas para doentes Covid já foram ocupadas
22.09.2020

Lisboa: 60% das camas disponibilizadas para doentes Covid já foram ocupadas

Cerca de 60% das camas reservadas para doentes infetados com o novo coronavírus já foram ocupadas. O anúncio foi feito pela ministra da saúde, Marta Temido, na apresentação do plano Outono/Inverno, na RTP.

A responsável revelou que atualmente 300 de um total de 500 camas que se encontram «guardadas» para doentes com Covid-19 já estão ocupadas. «Mas são 300 das 500 que fazem parte das sete mil. Ou seja, temos esta capacidade de ir adaptando as respostas àquilo que são as necessidades de cada momento», explicou à estação pública.

A governante não quis lançar um número concreto sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para doentes Covid-19, mas disse que o SNS era capaz de «funcionar em rede», através de acordos com outros sectores que nunca precisaram de ser ativados.

«Temos, por exemplo, mais 700 ventiladores, números redondos, no SNS que tínhamos em março. Tínhamos capacidade laboratorial em março para 3 mil testes e agora são 23 mil testes por dia, estamos melhor preparados», disse a ministra da saúde.

Marta Temido revelou ainda na mesma ocasião, que o Governo tem vindo a enfrentar esta «fase de crescimento dos números com confiança e preocupação», afirma defendendo que «hoje temos muito mais meios, mais recursos humanos e técnicos, mais organização e mais conhecimento».

«Temos a consciência que conseguimos reforçar a capacidade laboratorial, de medicina intensiva, dos recursos humanos e os métodos de organização de trabalho ao nível da saúde pública e integração de outras áreas», disse a responsável sublinhando a prioridade em «ter atenção àquilo que são as respostas não Covid», não descurando essa vertente.

Portugal regista atualmente 69.200 casos confirmados da Covid-19, bem como 1.920 vítimas mortais. A nível global a pandemia da covid-19 já infetou mais de 31,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, causando também mais de 964 mortes, segundo a contagem da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

Fonte: Executive Digest