Pesquisa avançada

Home > News > "Estamos apreensivos". Aumento de contágios "acabou por ser mais precoce"
18.09.2020

"Estamos apreensivos". Aumento de contágios "acabou por ser mais precoce"

Presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública admite que o aumento do número de casos de infeção pelo novo coronavírus aconteceu mais cedo do que o previsto e alerta para a necessidade de serem reforçados os meios de resposta no combate à propagação do vírus.

Portugal registou esta quinta-feira 770 novos infetados pelo novo coronavírus, o que representou o maior número de novos casos diários desde 10 de abril, altura em que o país se encontrava em estado de emergência. Os dados fizeram soar os alarmes, levando António Costa a convocar o gabinete de crise para uma reunião com carácter de urgência esta sexta-feira em São Bento.

Em declarações ao Notícias ao Minuto, o presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública fala de apreensão e confessa que o agravamento da situação epidemiológica no país acabou por acontecer mais cedo.

"Estamos apreensivos com o aumento do número de casos. Sabíamos que era provável um aumento, perante o regresso de férias, a retoma da atividade letiva e a típica circulação de vírus respiratórios no outono/inverno", afirma, admitindo que "este aumento acabou por ser mais precoce".

Certo é que estes dados ainda não refletem o impacto, por exemplo, do regresso às aulas que só se verificará dentro de duas semanas. "Tal como os impactos nos internamentos, cuidados intensivos e mortalidade, que são diferidos no tempo em relação à subida dos casos diagnosticados", lembra o especialista em Saúde Pública do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

No que toca a medidas, Ricardo Mexia diz ser "fundamental o reforço dos meios de resposta". "Concretamente, nas Unidades de Saúde Pública é fundamental ter capacidade para fazer a vigilância epidemiológica em tempo útil", algo que não se tem verificado porque os meios são escassos para a dimensão do problema que "com o aumento do número de casos é cada vez mais difícil".

Dando como exemplo a situação verificada na periferia de Lisboa há uns meses, em que foi notória a escassez de meios no combate à propagação do vírus, o especialista defende a implementação de equipas multidisciplinares, como veio a acontecer na capital. "É um bom exemplo. E agora, com as escolas, vão ser ainda mais necessárias", defende.

Ao Notícias ao Minuto, Ricardo Mexia diz ainda que é cedo para afirmar se o país já está a enfrentar uma segunda vaga da doença, sublinhando, contudo, que essa não é uma questão "muito relevante do ponto de vista técnico".

Fonte: Notícias ao Minuto
Foto: © Global Media