Pesquisa avançada

Home > News > Mais de meio milhão de idosos já se vacinaram contra a gripe
05.11.2019

Mais de meio milhão de idosos já se vacinaram contra a gripe

O "Vacinómetro" permite controlar em tempo real o número de vacinados pertencentes aos grupos prioritários. Dos vacinados, a maioria fá-lo por conselho do médico ou iniciativa própria.

Mais de meio milhão de idosos já se vacinaram contra a gripe, segundo dados do “Vacinómetro”, que destacam a subida da cobertura vacinal dos doentes crónicos e dos profissionais de saúde face ao período homólogo de 2018.

Os dados esta quinta-feira divulgados da primeira vaga do relatório “Vacinómetro”, que monitoriza a vacinação contra a gripe em grupos prioritários da época gripal 2019/2020, revelam que, desde o dia 15 de outubro, já se terão vacinado 573.195 portugueses com 65 ou mais anos e 133.299 com idades entre os 60 e os 64 anos.

“Do total da população estudada vacinada, que inclui maioritariamente pessoas para as quais a vacinação é gratuita, 19,7% adquiriu a vacina na farmácia, sendo que destas cerca de 80% vacinaram-se na farmácia”, refere em comunicado o “Vacinómetro”, promovido pela Sociedade Portuguesa de Pneumologia e a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, com o apoio da Sanofi Pasteur.

O relatório destaca “a evolução positiva, em termos de subida da cobertura vacinal”, face a igual período do ano passado, do grupo dos portadores de doença crónica, que registou a subida mais elevada (5,4%), seguido do grupo dos portugueses com idades entre os 60 e os 64 anos (3,8%) e dos profissionais de saúde (3,1%).

Segundo os dados, já se vacinaram 28,8% dos indivíduos portadores de doença crónica, 24% dos profissionais de saúde em contacto direto com doentes e 20,6% dos portugueses com idades entre os 60 e os 64 anos.

Adiantam ainda que já se vacinaram 28,2% das pessoas com 65 anos ou mais anos, uma subida de 0,7% em comparação ao período homólogo do ano passado.

O principal motivo que levou os portugueses a vacinarem-se foi a recomendação do médico (62,5%), seguido da iniciativa própria, para estar protegido (16,5%). Houve 14,5% que se vacinaram no contexto de uma iniciativa laboral, 4,5% porque sabem que fazem parte de um grupo de risco para a gripe e 1,7% por recomendação do farmacêutico.

O “Vacinómetro” permite monitorizar em tempo real, a taxa de cobertura da vacinação contra a gripe em grupos prioritários recomendados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

A época da vacinação contra a gripe arrancou no dia 15 de outubro em Portugal, que tem dois milhões de vacinas disponíveis, 1,4 milhões para serem dadas gratuitamente a grupos de risco no SNS e cerca de 600 mil para venda em farmácias.

Além das vacinas disponíveis para administrar gratuitamente no SNS a pessoas nos grupos de risco (como idosos ou alguns doentes crónicos), haverá ainda mais de 600 mil doses nas farmácias e que podem ser compradas mediante receita médica, com comparticipação de 37%.

A DGS recomenda a vacinação aos profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados, incluindo os bombeiros, bem como a pessoas entre os 60 e os 64 anos, grávidas e alguns doentes crónicos.

Este ano, pela primeira vez, as vacinas são tetravalentes, protegendo contra quatro tipos de vírus, quando até aqui protegiam para um máximo de três. A vacina tetravalente faz aumentar a probabilidade de o conteúdo da vacina coincidir com os vírus que vão circular e há a expectativa de a vacina ser mais efetiva.

A gripe é uma doença contagiosa e que geralmente se cura de forma espontânea. As complicações, quando surgem, ocorrem sobretudo em pessoas com doenças crónicas ou com mais de 65 anos.

Fonte: Observador