Pesquisa avançada

Home > News > Mais 170 mil pessoas vacinadas contra a gripe nesta época
13.03.2018

Mais 170 mil pessoas vacinadas contra a gripe nesta época

A Direção-Geral da Saúde anunciou que na atual época gripal foram vacinadas gratuitamente contra a gripe mais 170 mil pessoas do que na época anterior.

A Direção-Geral da Saúde anunciou que na atual época gripal foram vacinadas gratuitamente contra a gripe mais 170 mil pessoas do que na época anterior. Em comunicado, a DGS revelou que desde o início de outubro do ano passado foram administradas gratuitamente e no Serviço Nacional de Saúde (SNS) mais de 1,3 milhões de vacinas contra a gripe.

Estes valores indicam um aumento de 170 mil pessoas vacinadas, em relação ao ano anterior, e mais 255 mil pessoas que receberam a vacina, em relação à época de 2015/2016. A DGS estima que a cobertura na população com 65 ou mais anos de idade (SNS e setor privado) seja da ordem dos 65%, o que representa uma subida de cinco por centro em relação à época anterior.

Este organismo do Ministério da Saúde sublinha que “a vacinação é a principal medida de prevenção contra a gripe e tem como objetivo proteger as pessoas mais vulneráveis, prevenindo a doença e as suas complicações”. “A vacinação contra a gripe constitui um dos eixos do Plano de Saúde Sazonal, na sua vertente de Inverno, em vigor de 01 de outubro a 30 de abril e, eventualmente, noutros períodos em função das condições meteorológicas”, lê-se no comunicado.

Esta subida do número de pessoas vacinadas contra a gripe difere dos dados do Vacinómetro, que monitoriza a evolução da cobertura desta vacinação e que foram hoje divulgados pela Lusa. Segundo o Vacinómetro, a vacinação contra a gripe foi mais baixa nesta época gripal em todos os grupos populacionais, especialmente o dos doentes crónicos.

Sobre estes dados, a DGS esclarece: “O estudo é promovido pela Sociedade Portuguesa de Pneumologia e pela Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, é realizado por amostragem através de entrevistas telefónicas, sendo que os valores apresentados têm intervalos de confiança alargados”.

Fonte: Observador